20 de agosto de 2006

Televisão em Portugal

Tenho passado grande parte dos últimos dias pelo fórum do Televizoom (site em que Daniel Oliveira da RTP é um dos impulsionadores). Nele se debate um dos assuntos que eu mais gosto: televisão. E estes tempos têm sido de intenso debate, apesar das férias.

Todos conhecem o fenómeno Floribella, todos conhecem o fenómeno Morangos com Açúcar. Alguns (pelos vistos cerca de milhão e tal todos os dias) sabem que existem os especiais, mas o que não sabem é que a guerra de audiências está de tal modo ao rubro que neste mês de Agosto, e com 18 dias de audiências publicados, ainda não se sabe quem vai ganhar o mês, havendo um empate técnico. Isto até ajuda a que as estações de televisão trabalhem mais para criarem um melhor produto, mas será mesmo melhor?
Em termos de qualidade de produção, essa melhoria vai acontecendo, aos poucos, com a experiência. Em termos de quantidade de produção nacional, esta vai aumentando, levando a que se descubram novos talentos, melhorando o futuro da produção nacional.

Mas nem tudo são rosas. Vão aparecendo alguns actores, nomeadamente na Floribella e nos Morangos com Açúcar, que não mostram ter grande talento. Isto será resultado do excesso de actores necessários? Talvez, afinal os bons actores não nascem do céu, ou produzem-se numa fábrica perto de Lisboa.
Isto leva a outra questão: será que se está a exagerar no número de novelas em produção? Parece-me que sim, afinal temos 1 novela na SIC mais 4 na TVI. Somemos o Câmara Café na RTP e algumas novelas em pré-produção, quer para a SIC, quer para a RTP, quer para a TVI, e temos um enorme conjunto de actores, que terão que ter alguma qualidade para termos qualidade nos produtos. Depois adicionemos os que estão a fazer teatro, os que estão parados e os poucos (se existirem) que estão a trabalhar em filmes. Mas só nos que têm talento. O resultado são centenas ou milhares de actores. Será que 10 milhões de pessoas conseguem ter tantos bons actores? Não que seja contra as más experiências, mas tudo tem um limite.

Ainda na área do excesso de novelas, elas acabam por dominar o horário nobre das televisões generalistas. O que é isto? Em 4 canais generalistas, 2 apenas transmitem novelas no horário em que a maior parte das pessoas está em casa! Depois queixam-se que as pessoas não lêm: as novelas entram pela casa fora. Para quê cansar-se a ler? Afinal o dia de trabalho lá vai. Queixam-se que as pessoas não vêm televisão. A resposta é que a escolha é pouca. Há o cabo, mas nem toda a gente o tem.

Há outro fenómeno no panorama televisivo português que todos terão notado: a SIC passa o dia inteiro a falar da Floribella ou a transmiti-la, enquanto que a TVI faz o mesmo aos Morangos com Açúcar. Mais uma razão para as pessoas se cansarem da televisão.

Já agora, o meu nick no fórum do televizoom é bigs.

3 comentários:

pjfaria disse...

Bem Mista Bigs!

o_anticristo disse...

Li o post e concordo plenemante. A TV de hoje perde pela qualidade. Os programas têm é que ser "simples" e de fácil compreenção para que o português não tenha que usar a sua cabeça. (Claro, se há coisa que o portuguÊs de testa é usar o cérebro para ir mais além, de passar a barreira do básico). É tudo programas que entram facilmente na cabeça despertando os instintos mais brejeiros da mente portuguesa.
A TV degenera numa podridão mental que é visível na maioria dos portugueses. Enfim...
Fica bem.

Ah e se tiveres interessado, já fiz um post sobre esse assunto, pode ser que te interesse:

http://scapegoat.blogs.sapo.pt/4250.html

Tiago disse...

Realmente a TV em portugal é algo execrável, só mesmo a 2: escapa. É sempre mais do mesmo. Floribella e Morangos já nem falo porque já enjoa. Mas enfim para um povo pimba, vamos dar TV pimba, ainda por cima isso é bom para os nossos governantes que nos distraem com coisas sem importância.. Mas isso! Já é outra conversa...